Fato Nº 94

A Igreja Evangélica Armênia foi fundada em Constantinopla em 1846

Reforma esteve na agenda da Igreja Armênia ao longo dos séculos. A evolução da sociedade e da política levou a movimentos religiosos às vezes, alguns dos quais aconteceram com algum grau de sucesso, mas a maioria dos quais não duraram muito. A Igreja Católica Armênia é um exemplo de uma mudança duradoura da Igreja Apostólica Armênia, embora mantenha uma grande parte da tradição armênia.

A mudança mais radical ocorreu ao longo do século XIX, quando missionários americanos chegaram ao Império Otomano, no início para pregar o Evangelho para a população muçulmana e judaica, e posteriormente acolhendo em seu cercado outros cristãos nativos, em sua maioria armênios. Em 1836, um grupo secreto havia tomado forma no interior da Igreja Armênia, conhecido como a Congregação da Piedade, que foi feito para pressionar reformas. Ele não teve a aprovação do Patriarcado Armênio, levando à sua expulsão da Igreja. Como resultado, em 1º de Julho de 1846, trinta e sete homens e três mulheres juntos criaram a Igreja Evangélica Armênia em Constantinopla que, alguns anos mais tarde, foi concedida o reconhecimento pelo sultão otomano como comunidade protestante armênia (ou “millet”, a designação oficial).

Desde o início, o movimento evangélico armênio teve laços estreitos com os Estados Unidos, recebendo um forte apoio dos missionários americanos inicialmente, e posteriormente estabelecendo raízes no Novo Mundo no caminho para a autossuficiência. Na verdade, a primeira casa armênia de culto na América era uma Igreja Armênia Evangélica criada em Worcester, Massachusetts, em 1881 – uma década antes de uma Igreja Apostólica Armênia ser construída na mesma cidade. Os primeiros imigrantes armênios nos Estados Unidos foram os que seguiram o caminho evangélico para receber sua educação superior no país.

Na verdade, foi no campo da educação que a Igreja Evangélica Armênia teve um impacto profundo no Império Otomano. Em 1915 uma série de escolas e faculdades se espalharam por toda a Anatólia e Ásia Menor, bem como escolas técnicas e profissionais, e também duas escolas para surdos e cegos – algo muito inovador para a época. A educação das meninas também foi outro aspecto da natureza progressiva do movimento evangélico entre os armênios. Muitos dos líderes da comunidade armênia otomana, os alvos em particular do 24 de abril, receberam sua educação em instituições evangélicas. Até escolas de domingo entre as comunidades armênias foram pioneiras da Igreja Evangélica Armênia. Com 369 escolas primárias, 54 escolas secundárias, e três seminários antes do genocídio, existem 26 instituições de ensino evangélicas armênias no mundo hoje. Isso inclui o maior estabelecimento de ensino na diáspora armênia – Universidade Haigazian, em Beirute, no Líbano, fundada em 1955.

Além da educação em geral, a Igreja Evangélica Armênia também teve um impacto profundo sobre a língua armênia, especialmente com a tradução da Bíblia para o armênio moderno, em oposição ao uso continuado de armênio clássico na época. Publicações também foram feitas em turco-armênio – a língua turca usando letras armênias, para aqueles que tinham perdido sua língua nativa, mas que mantiveram a sua identidade armênia.

O genocídio armênio não discriminou entre Igreja Apostólica Armênia, Igreja Católica Armênia, ou Igreja Evangélica Armênia: todos foram massacrados, todos foram deportados. Todos também se organizaram na diáspora armênia – enriquecendo a vida da comunidade cooperando e em todo o mundo – incluindo a divulgação dos Evangélicos armênios no Oriente Médio, Europa, Américas e Austrália. Com o colapso da União Soviética em 1991, a Igreja Evangélica Armênia avançou na Armênia também, executando seus programas religiosos, educacionais e filantrópicos no país, como acontece em outros lugares, através de organizações como a Associação Missionária Armênia da América (fundada em 1918) – o principal serviço missionário e braço do movimento evangélico armênio.


Referências e Outras Fontes

1. Vahan H. Tootikian. “Armenian Congregationalists flee from genocide and find a home in the U.S.”, Hidden Histories in the United Church of Christ – Volume I
http://www.ucc.org/about-us/hidden-histories/armenian-congregationalists.html
http://www.ucc.org/about-us/hidden-histories/hiddenhistoriesi.pdf
2. Karl Vartan Avakian. “The Armenian Evangelical Church, 1846-1996: A Historical Overview
3. Hagop Panossian. “ARPA Presentation – Contributions of the Armenian Evangelical Church to the Armenian Nation”, 35 minutes 41 seconds
4. J. Gordon Melton. “Union of the Armenian Evangelical Churches in the Near East”, Religions of the World, Second Edition: A Comprehensive Encyclopedia of Beliefs and Practices (edited by J. Gordon Melton and Martin Baumann). ABC-CLIO, 2010, p. 2956
5. Armenian Missionary Association of America
6. Haigazian University
7. Wikipedia: “Armenian Evangelical Church


Artigo Original

100y100f_094_ArmenianEvangelicalChurch-Grid

Legenda da Imagem

Uma Igreja Evangélica Armênia em Montevidéu, Uruguai


Atribuição e Fonte

Por Hoverfish (Own work) [CC-BY-SA-3.0], via Wikimedia Commons


Fatos Recentes