Fato Nº 16

A herança armênia na Índia remonta ao século XVI.

Há algumas evidências de uma colônia indiana na Armênia há muito tempo, no primeiro século aC. Armênios servindo sob Alexandre, o Grande, ou governantes persas que seguiam caminho para o sub-continente também poderiam ter sido fontes das primeiras conexões armênio-indianas. Há também a tradição de Tomas Cana, um armênio que desembarcou como um comerciante na costa sul-ocidental da Índia, no fim do século VIII dC , ajudando a impulsionar a população cristã.

Mais substancialmente, os comerciantes armênios começaram a expandir suas rotas de comércio da Pérsia para o leste durante os séculos XVI e XVII. Embora o número de armênios na Índia até os últimos cinquenta anos ou mais nunca tenha sido imenso, a riqueza e a atividade da comunidade fazem parte dos anais da história da diáspora, ao mesmo tempo enriquecendo a vasta cultura da própria Índia.

Madras (Chennai, seu nome moderno) é conhecido como o local da publicação do primeiro jornal armênio em 1794, conhecido como Azdarar. Foi também o local onde livros foram publicados sobre a política armênia e da sociedade, até mesmo uma espécie de proto-constituição para uma esperada Armênia independente – escrita sob a inspiração dos acontecimentos revolucionários nos Estados Unidos e na França durante a mesma época (O Projeto 100 Anos, 100 Fatos vai dedicar um fato inteiro ao assunto).

Bombaim (Mumbai), Surat, e Agra – uma capital imperial durante o reinado da dinastia Mughal – também sediavam armênios. Na verdade, uma das principais esposas do rei indiano mais célebre, Akbar o Grande, era armênia, chamada Mariam. Akbar foi um patrono para a comunidade armênia, foi durante seu governo que o mais antigo edifício cristão no norte da Índia foi construído, a capela armênia em Agra, que data de 1562.

Foi Calcutá (Kolkata), no entanto, que serviu como o centro da vida armênia nos séculos seguintes, sendo a capital do que se tornou o Raj britânico – deve-se notar que os armênios batiam todos os comerciantes marítimos ocidentais ou conquistadores imperiais daquela região, como comerciantes terrestres. A cidade ainda é o lar de uma população armênia muito pequena, ao lado de recém-chegados do Irã e da Armênia que estudam na escola armênia ou servem na Igreja armênia.


Referências e Outras Fontes

1. George Bournoutian. A History of the Armenian People, Volume 2: 1500 A.D. to the Present. Mazda Publishers, 1994, pp. 43-51
2. Mesrovb Jacob Seth. Armenians in India. 1937
3. David Zenian. “The Armenians of India”, AGBU News Magazine, July 1, 2001
4. “In pictures: Calcutta’s Armenians”, BBC News, March 27, 2012
5. Armenians in India – Behind the Scenes Forgotten History
6. My Armenian Neighbourhood. Samimitra Das/SRFTI, 2010. 27 min.
7. Wikipedia: “Armenians in India
8. Wikipedia: “Armenian Church of the Holy Nazareth


Artigo Original

100y100f_016_ArmeniansIndia

Legenda da Imagem

A torre do relógio no Santa Igreja de Nazaré Armênia, Calcutá (Kolkata), início do século XVIII.


Atribuição e Fonte

Biswarup Ganguly [GFDL, ou CC-BY-3.0] via Wikimedia Commons


Fatos Recentes