Fato Nº 84

A batalha de Avarayr aconteceu no dia 26 de Maio de 451 dC

Até o ano de 428 dC, o Reino da Grande Armênia já não tinha um governante independente, ao invés disso era sujeito à sassânida vizinha ou dinastia sassânida da Pérsia (Pártia). As casas nobres armênias continuavam a controlar suas próprias terras e desempenhava um papel importante entre eles a família Mamikonian (Mamigonian), que há muito já detinha o título de “sparapet” (“sbarabed”), ou comandante das forças armadas.

Vartan Mamikonian é, talvez, o membro mais célebre dessa dinastia. Uma parte de sua herança vem da linhagem do próprio São Gregório, o Iluminador, fundador do cristianismo armênio. Vartan foi educado e foi até considerado para o clero, antes de assumir o manto da família nas principais tropas – uma função que viria muito a calhar durante o reinado de Yazdegerd II. Da capital sassânida de Ctesifonte veio a ordem em 449 de abandonar o cristianismo e assumir o zoroastrismo, a religião persa pagã. A mudança foi uma decisão política, já que a filiação religiosa poderia ter grandes implicações nas relações entre o Sassânida e os impérios bizantinos naquele momento, uma vez que o cristianismo já estava estabelecido no mundo bizantino.

Embora parte da nobreza armênia estava do lado dos senhores persas, a rebelião liderada por Vartan Mamikonian e seus aliados – o Vartanank, como era chamada na Armênia – lideraram a resistência e pegaram em armas. A batalha que culminante ocorreu segundo a tradição em 26 de maio, 451 dC na planície Avarayr (hoje em torno de onde o Irã e a Turquia fazem fronteira com o enclave azerbaijano de Nakhichevan). Em grande desvantagem, com cerca de 60.000 tropas enfrentando uma enxurrada de cerca de 200.000, o Vartanank sucumbiu ao corpo de combate persa sobre elefantes. Os esforços dos rebeldes foram imortalizados por cronistas armênios, que atribuem a Vartan palavras inspiradoras, “uma morte inesperada significa simplesmente morrer, mas a morte voluntária a torna imortal”.

Os 1036 de Vartanank são considerados mártires pela Igreja armênia. Celebrados como santos todo ano na quinta-feira antes da Quaresma. Apesar de perder esta batalha particular na luta em nome do cristianismo, a história de Vartan Mamikonian e aqueles que lutaram ao lado dele é frequentemente citada em círculos armênios como uma vitória moral. Mas, mesmo em termos práticos, uma ferida enorme foi feita no lado sassânidas, tanto que Yazdegerd II desistiu de seu plano de impor paganismo sobre os armênios.

A mesma política foi perseguida algumas décadas mais tarde, mais uma vez, e uma rebelião liderada desta vez pelo sobrinho de Vartan, Vahan Mamikonian, resultou em uma vitória real, e a liberdade dos armênios para adorar e para resolver seus assuntos internos foi respeitada. Esse acordo, que é conhecido como o Tratado de Nvarsak é considerado “o primeiro tratado na história a obrigar um tirano a ceder ao princípio de liberdade religiosa”.


Referências e Outras Fontes

1. The Eastern Diocese of the Armenian Church of America. “St. Vartan and the Battle of Avarayr
2. R. Hewsen. “Avarayr”, Encyclopædia Iranica, Vol. III, Fasc. 1, 1987
3. Hacikyan, Basmajian, Franchuk, Ouzounian. The Heritage of Armenian Literature, Vol. 1: From the Oral Tradition to the Golden Age. Wayne State University Press, 1999
4. Wikipedia: “Battle of Avarayr


Artigo Original

100y100f_084_Vartan

Legenda da Imagem

Uma descrição do século XV da Batalha de Avarayr; Manuscritos armênios tendem a destacar os elefantes no exército Sassânida quando iluminando passagens sobre Vardanank.


Atribuição e Fonte

[Public domain], via Wikimedia Commons


Fatos Recentes