Fato Nº 44

O xadrez é considerado um esporte nacional na Armênia

Claro, muitos nos EUA vivem de beisebol, basquete e futebol americano, enquanto o Canadá tem o seu hóquei. Índia e grande parte da Comunidade das Nações têm críquete, enquanto o futebol se apresenta no topo da lista de esportes seguido em muitas, muitas partes do mundo – incluindo a Armênia. Mas Armênia também tem um lugar especial para o xadrez.

A história do xadrez na Armênia remonta mais de mil anos: acredita-se que foi introduzido durante o domínio árabe nos séculos VIII-IX, tendo os árabes, por sua vez, trazido da Índia. Foi apenas nos tempos soviéticos, no entanto, que o jogo recebeu um impulso ao nível nacional. As décadas de 1920 e 30 viram acontecer os primeiros clubes de xadrez e campeonatos em Yerevan e em outras partes do país.

Durante os anos 60, com a proeminência de Tigran Petrosian, o xadrez se tornou altamente popular na Armênia soviética. Petrosian foi campeão de xadrez soviético quatro vezes, e também conquistou o título mundial em 1963, além de assegurar muitas vitórias como parte da equipe URSS. O xadrez, como se viu, criou uma instituição por si só. Pode-se dizer que o resto é história – mas a verdade é que o jogo está muito no presente da Armênia.

Outro grande nome do xadrez é Garry Kasparov, que ganhou fama internacional com o final da Guerra Fria, e mais tarde ao jogar xadrez contra um computador, e hoje como uma figura pública na Rússia. Kasparov nasceu em Baku, no Azerbaijão soviético, de mãe armênia, e teve que fugir de sua cidade natal quando seu passado como o movimento de Nagorno-Karabakh veio à tona. No entanto, ele nunca representou a Armênia no mundo do xadrez.

A Armênia continua a figurar de forma muito ativa na cena do xadrez, hospedando torneios internacionais e enviando pessoas e equipes para exibir a proeza do xadrez nacional em todo o mundo. Ajuda que a Federação de Xadrez da Armênia seja encabeçada pelo atual presidente do país, recebendo muito apoio oficial, seja em termos de homens, mulheres ou menores de idade. A Armênia também esteve em manchetes quando decidiu introduzir o xadrez no currículo escolar em 2011. Os rankings da Armênia, no nível individual e da equipe têm sido consistentemente altos – um feito impressionante, especialmente dado o pequeno tamanho e população do país.

Um dos aspectos mais interessantes do xadrez na Armênia é que possui o mesmo grau de uma de entretenimento como são de se esperar em esportes maiores, mais comercializado em outros lugares. Enquanto Tigran Petrosian era um nome familiar, há algumas décadas, Levon Aronian é uma celebridade nacional na Armênia hoje, ao lado de uma série de outros grandes mestres, muitos deles jovens, e outros jogadores que estão surgindo. A revista dedicada ao xadrez está em publicação desde 1972, mesmo ano de início de um programa de TV de xadrez, no ar desde então.


Referências e Outras Fontes

1. Joe Parkinson. “Winning Move: Chess Reigns as Kingly Pursuit in Armenia”, The Wall Street Journal, December 3, 2012
2. “Armenia: the cleverest nation on earth”, BBC World Service: Assignment, October 15, 2009, 25 min.
3. Armenian Chess Website, “Chess in Armenia” magazine
4. Chess Federation of Armenia
5. Chess Academy of Armenia
6. Mark Crowther. “Alekhine Memorial 2013”, The Week in Chess, May 1, 2013
7. Wikipedia: “Chess in Armenia


Artigo Original

100y100f_045_Chess-Option-2-1024x682

Legenda da Imagem

Levon Aronian (contra a potência do xadrez indiano, Viswanathan Anand) durante a Alekhine Memorial 2013; Aronian venceu o torneio daquele ano.


Atribuição e Fonte

Por Soboky (Own work) [CC-BY-SA-3.0], via Wikimedia Commons


Fatos Recentes