Fato Nº 33

Alguns santos cristãos do Ocidente têm suas raízes na Armênia

Os séculos seguintes à missão de Jesus viram alguns seguidores de alguma forma ligados à Armênia que são hoje comemorados fora da tradição do cristianismo armênio. Apesar de seus legados são muito mais uma lenda do que fato histórico, a sua ligação com a Armênia faz para uma conexão interessante, atestando a força do cristianismo mesmo em fronteiras difíceis.

O mais antigo deles foi St. Minas ou Minias – San Miniato – que era, por tradição, o primeiro mártir cristão de Florença, Itália. Acredita-se ter vindo do leste, como comerciante, soldado, ou um príncipe armênio, fazendo uma peregrinação à Roma, e terminando como um eremita em Florença por volta de 250 dC. Ele foi ordenado a negar a Cristo pelo imperador, foi posteriormente torturado e decapitado. St. Minas, segundo a lenda, pegou sua cabeça, colocou de volta em seu corpo, e voltou para sua caverna na montanha, hoje lugar da Basílica de San Miniato al Monte. Embora esta história não seja tão conhecida na Armênia, Minas é um nome ainda em uso entre os armênios.

Um compatriota, se assim podemos chamá-lo de tal, tem um final semelhante à sua história, mas mais ao norte. St. Chrysolius o Armênio igualmente pegou sua cabeça depois de ser decapitado pelos soldados romanos em algum momento do terceiro ou quarto século, enquanto evangelizava para o Papa, no nordeste da Gália. Ele é o santo padroeiro da Komen na Bélgica hoje.

Um pouco menos clara é a história de Santo Expedito, um soldado romano estacionado, segundo a tradição, na Armênia – em Melitene, na província da Armênia Menor; Malatya, na Turquia hoje – que foi martirizado por sua fé no início do século IV, por volta da mesma época em que a Grande Armênia adotou o Cristianismo. O nome de Expedito (“livre para mover-se” ou “liberado” em latim) é dado a ele por ser o padroeiro da rapidez, para resolver questões de urgência – o santo que intercede por marinheiros, por exemplo, ou por estudantes que realizarão exames. Embora a história por trás de Santo Expedito não seja tão definida, ele ainda é venerado na Europa Ocidental e na América Latina. Ele é particularmente popular no Brasil, onde sua festa de 19 de Abril atrai dezenas, se não centenas, de milhares de fiéis.

Dentro das primeiras décadas dos anos 300 é dada a história de São Brás, também conhecido como Blasius ou Blase, e “Barsegh” em armênio (“Parsegh” em armênio ocidental – um nome menos comum, mas ainda usado). Desde Sebastea ou Sebaste (Sivas, na Turquia hoje), St. Blaise era conhecido como um curandeiro e um bispo. Tal como aconteceu com os outros na região, ele se recusou a renunciar à sua fé em Jesus e foi torturado e martirizado pelas autoridades romanas. St. Blaise é particularmente famoso como o santo padroeiro e protetor do que costumava ser a República de Ragusa, agora centrada na cidade de Dubrovnik, na Croácia, onde ele é conhecido como Vlaho. Sua veneração na região é datada de 971 dC, segundo uma visão de que ele apareceu para alertar moradores do perigo. Sua comemoração no dia 03 de fevereiro envolve grande festa na cidade, e ainda incluiu um clérigo armênio já há alguns anos.


Referências e Outras Fontes

1. “San Miniato al Monte: The Basilica of San Miniato al Monte
2. Gregory Luce. “St. Minias of Florence”, Timeline Florence
3. “History of Saint Expedite.org”, SaintExpedite.org
4 .Prof. Dr. Darko Zubrinic. “Armenian bishop Nareg Alemezian in Dubrovnik Celebrating the Day of St. Vlaho”, Croatian World Network, February 3, 2010
5. Wikipedia: “Minias of Florence
6. Wikipedia: “Expeditus
7. Wikipedia: “Chrysolius
8. Wikipedia: “Saint Blaise


Artigo Original

100y100f_033_WesternSaints

Legenda da Imagem

Estátuas de Santo Expedito, um objeto de grande culto na ilha francesa da Reunião, no Oceano Índico, a leste de Madagascar.


Atribuição e Fonte

Por David Monniaux (Own work) [CC-BY-SA-3.0], via Wikimedia Commons


Fatos Recentes