Fato Nº 79

Os khachkars mais elaborados foram feitos no século XIII

A Armênia não é uma ilha, em nenhum sentido. Muito pelo contrário, o país tem sido estado na encruzilhada internacional de leste a oeste e de norte a sul pelos últimos milênios. Como resultado, além de suportar todos os tipos de guerras e conflitos, o povo armênio também interagiu com numerosas de culturas, sendo influenciado por outros e ao mesmo tempo influenciando. Como consequência natural, muitos elementos da cultura ecoam por todos os povos da região, seja as semelhanças nas formas de música e dança, culinária ou roupas tradicionais.

Alguns aspectos da cultura, porém, são expressões verdadeiramente únicas. O Khachkar, por exemplo, é uma forma de autêntica da arte armênia. Composta das palavras armênios para “cruz” e “pedra” – e, portanto, muitas vezes chamado em português de “cruz de pedra” – os khachkars fundem dois pilares da identidade armênia: a herança cristã, esculpida nas rochas predominantes nos planaltos ou, as vezes, nas próprias montanhas.


Não apenas esses khachkars, mas parte do Mosteiro de Geghard em si é esculpido na encosta de uma montanha na Armênia
Por Vahag851 (Own work) [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons

Datado do século IX, a forma de arte Khachkar viu suas obras mais complexas em torno do século XIII, tornando-se menos popular no início dos anos 1700. O século XX marcou o seu retorno e um aumento bastante acentuado no desenvolvimento, especialmente após a independência armênia. A UNESCO, por sua vez, incorporou khachkars em sua Lista Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade em 2010.

De vários tipos diferentes, a “Árvore da Vida” é eo lemento particularmente prevalecente entre os khachkars hoje – esculpidas nó a nó trabalho, nem o começo nem o fim é identificável, um pouco semelhante a arte celta. “Cruzes aladas” também não são incomuns, compostas por uma cruz armênia, com suas pontas afiadas dominando sobre duas alas se espalhando como fogo de uma forma circular (roseta) abaixo e para os lados. Além de desenhos geométricos, khachkars retratam símbolos como uvas ou romãs, plantas e animais e, em raras ocasiões, até mesmo as pessoas.


Detalhes de um Khachkar do século XVI, provavelmente marcado em um túmulo; a magnífica roseta se sobrepõe ao texto que indica que a Santa Cruz está na memória de um peregrino, que pode ser visto ricamente adornado a cavalo
Por XenonX88 (Own work) [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons

Khachkars são usados como itens de decoração. Suas implicações religiosas os fazem lindos encaixes para igrejas armênias em todo o mundo. Muitas vezes, monumentos e memoriais estão na forma de khachkars, seja um monumento do Genocídio Armênio ou qualquer outro tributo solene. Certamente lápides mais elaboradas assumiram a tradição do Khachkar na Armênia e no exterior. Um bom exemplo de túmulos com Khachkar pode ser encontrado em Noratus na Armênia hoje, perto do lago Sevan. Dispõe de centenas de anos de uso contínuo, com diferentes estilos de rememorações dos mortos ao longo dos séculos.

Um dos campos de Khachkar mais famosos costumava existir em Julfa (Jougha), atualmente no enclave azerbaijano de Nakhichevan, pelo rio Arax. A construção da estrada de ferro acabou com uma parte dos khachkars de Jougha durante os tempos do Império Russo, enquanto a área permaneceu dormente na era soviética, o processo de sua destruição começou na década de 1990, culminando em um protesto internacional em dezembro de 2005, quando se tornou claro que as autoridades do Azerbaijão se comprometeram ativamente a destruir o património cultural armênio na sua totalidade. As obras de valor inestimável, que existiam desde o início do século XIII – mais de dois mil deles, naquele tempo, compreendiam o maior cemitério armênio no mundo – foram totalmente demolidas, apesar de reações do Parlamento Europeu, entre outros.


Um explêndido Khachkar da República da Armênia em exposição na sede da Organização das Nações Unidas em Nova York
[CC BY 2.5], via Wikimedia Commons


Referências e Outras Fontes

1. Hamlet Petrosyan. “The Khachkar or Cross-Stone” in Armenian Folk Arts, Culture, and Identity (edited by Levon Abrahamian, Nancy Sweezy, Sam Sweezy). Indiana University Press, 2001, pp. 60-70
2. “Azerbaijan: Famous Medieval Cemetery Vanishes”, Institute for War & Peace Reporting, April 27, 2006
3. UNESCO. “Armenian cross-stones art. Symbolism and craftsmanship of Khachkars
4. “Hidden Yerevan: Khachkar Master”, CivilNet, August 7, 2012
5. Khachkar.am
6. Wikipedia: “Khachkar
7. Wikipedia: “Armenian cemetery in Julfa


Artigo Original

100y100f_079_Khachkars

Legenda da Imagem

O cemitério Noratus, perto do lago Sevan na Armênia, suas primeiras obras datam de quase mil anos.


Atribuição e Fonte

Por Arantz (Own work) [CC-BY-SA-3.0], via Wikimedia Commons


Fatos Recentes