Fato Nº 8

Krikor Zohrab era membro do Parlamento Otomano em 1915.

Krikor Zohrab está entre as mais conhecidas vítimas individuais do Genocídio Armênio. Embora ele não fosse o alvo no noite de abril, sua hora chegou pouco tempo depois. Enquanto isso, ele estava prestes a apresentar uma petição para seus compatriotas, como uma figura pública proeminente – como um membro do parlamento otomano, na verdade – além de sua reputação como advogado e jornalista.

Krikor Zohrab nasceu em 1861 em Constantinopla. Pode-se dizer definitivamente que ele era um filho daquela cidade, com toda a sua magnificência cosmopolita e riqueza da virada do século. A experiência Armênia em Constantinopla (“Bolsahay”) daquela época é personificada em seus escritos. Ele é lembrado pelos armênios hoje devido a excelência de seus contos no Oeste da Armênia. As obras de Zohrab, que também foram traduzidas para turco, seguiam o movimento literário conhecido como realismo – contendo pessoas comuns do cotidiano, como trabalhadores ou outros representantes de classes mais baixas, até mesmo criminosos, sem mencionar os personagens femininos. Ele fez contribuições para os periódicos Lrakir, Masis e Hayrenik, entre outros. Além de contos, os escritos de Zohrab incluem “Anhedatsadz Serount Me” (“A Geração Desaparecida”), um romance escrito no início de sua carreira, e também um livro sobre suas viagens na Europa (“Echer Oughevori Me Orakren” – “Páginas do Diário de um Viajante”)

As viagens à Europa foram, na verdade, um exílio: as lutas cívicas e políticas de Zohrab o colocaram em apuros o suficiente para que ele tivesse que viver em Paris por um tempo. Ele retornou após a reforma constitucional de 1908 para entrar na legislatura Otomana, onde ele assumiu muitas causas de reforma que foram além de apenas as demandas imediatas dos armênios do Império Otomano. Seus próprios esforços foram direcionados para uma identidade otomana moderna mais ampla, no qual todos os habitantes deste império multiétnico, multireligioso pudessem ter voz igual, em pé de igualdade. Além do armênio (e francês), Zohrab também era conhecido por seu domínio da língua turca. “Dinimiz muhtelif, mezhebimiz birdir. Hepimiz hürriyet mezhepdaşlarıyız,” ele mencionou uma vez, durante um discurso – “Nossas religiões são diversas, mas a nossa convicção é uma só. Somos todos co-crentes na liberdade”.

No Maio seguinte ao 24 de abril, Krikor Zohrab foi preso e enviado ao exílio, no leste. Acredita-se que foi morto – com a cabeça esmagada com pedras – em julho de 1915, em algum lugar perto de Urfa.


Referências e Outros Fatos

1. Garen Kazanc. “Revisiting Krikor Zohrab’s Istanbul home”, The Armenian Reporter, September 15, 2013
2. Aras Yayıncılık. “Krikor Zohrab – Öyküler” (in Turkish)
3. “Krikor Zohrab Kimdir?”, bianet, 24 Nisan 2009 (in Turkish)
4. Wikipedia: “Krikor Zohrab


Artigo Original

100y100f_008

Legenda da Imagem

Um grupo de músicos folclóricos armênios tocando o duduk, oud, e outros instrumentos.


Atribuição e Fonte

Imagem digitalizada a partir da edição especial de 2007 sobre o genocídio armênio pelo Horizon Weekly, Montréal, Canadá, via Wikimedia Commons


Fatos Recentes

…e o povo armênio continua a lembrar e pedir justiça

Fato Nº 100

…e o povo armênio continua a lembrar e pedir justiça

…enquanto minorias na Turquia são frequentemente limitadas em suas expressões por políticas de Estado…

Fato Nº 99

...enquanto minorias na Turquia são frequentemente limitadas...

O teleférico mais longo do mundo foi inaugurado na Armênia em 2010

Fato Nº 97

O teleférico mais longo do mundo foi inaugurado na Armênia em 2010