Fato Nº 83

O massacre de armênios em Sumgait, no Azerbaijão Soviético, começou no dia 27 de fevereiro de 1988

O movimento pelos direitos e segurança dos armênios que viviam dentro Azerbaijão Soviético – particularmente na Região Autónoma de Nagorno-Karabakh – foi uma iniciativa pacífica, destinada a ser resolvida como uma questão interna da URSS, dentro das disposições do direito soviético. A atmosfera mais permissível que os anos Gorbachev traziam em meados dos anos 1980 deu aos armênios confiança que a glasnost e perestroika iriam ajudar a trazer uma duradoura resolução favorável a uma questão que estava em segundo plano do Transcaucásio Soviético desde 1920.

Qualquer esperança de evitar a violência foi frustrada no final de fevereiro de 1988. Em meio a tensões elevadas e após relatos de um conflito inter-étnico em Nagorno-Karabakh, uma multidão organizada do Azerbaijão atacou indivíduos e famílias armênias na cidade industrial de Sumgait, fora da capital do Azerbaijão, Baku. Armas improvisadas, como tubos ou metal afiado, foram usados para caçar armênios em suas casas, para ferir, matar, estuprar e pilhar, em um pogrom (ataque violento) que durou de 27 a 29 de fevereiro. O número de vítimas nunca pode ser determinado, indo desde 20 ou 30, até centenas, para não esquecer os feridos ou mutilados, assim como os milhares que, consequentemente, fugiram. Ao mesmo tempo, deve-se notar que muitos armênios foram refugiados ou protegidos por azeris ou vizinhos de outras nacionalidades ao longo deste ataque também.

As respostas do governo aos massacres de Sumgait eram lentas e indecisas. Certamente autoridades azeris locais estavam inativas. Foi precisa a lei marcial imposta por Moscou para finalmente controlar a situação. A subsequente limitada cobertura da mídia oficial e julgamentos pouco minuciosos não se ajudaram a dar contundência do processo também. Em particular, a natureza premeditada, organizada do pogrom nunca foi integralmente reconhecida ou investigada. Uma das consequências desta impunidade foram os outros massacres de armênios que ocorreram em Kirovabad (Ganja) em novembro de 1988, e em Baku, em janeiro de 1990, entre outras localidades no Azerbaijão Soviético.

Tanto no âmbito da URSS quanto internacionalmente o incidente foi um motivo de constrangimento, face aos pontos retóricos populares da ideologia soviética, como a amizade entre os povos. Todo o conflito de Nagorno-Karabakh, na verdade, foi um fator que contribuiu para demonstrar a insustentabilidade do modelo soviético e o desenrolar final da URSS. (Dê uma olhada em nosso fato anterior sobre a República de Nagorno-Karabakh para saber mais sobre essa disputa).

Sumgait continua a ser uma cidade industrial no Azerbaijão hoje, desprovida de sua população armênia de outrora, assim como o resto do país. Mesmo que o território de Nagorno-Karabakh ou Artsakh esteja no centro deste assim chamado “conflito congelado”, vidas armênias foram tomadas ou desenraizadas em todo o território do que era o Azerbaijão Soviético. Muitos refugiados acabaram na Rússia e nos Estados Unidos, onde as as antigas comunidades armênias de Baku estão agora em Moscou e Michigan.


Referências e Outras Fontes

1. “Nationalism at Its Nastiest”, The New York Times, January 19, 1990
2. “An Open Letter on Anti-Armenian Pogroms in the Soviet Union”, The New York Review of Books, September 27, 1990
3. Anna Astvatsaturian Turcotte. Nowhere, a story of exile. hybooksonline.com, 2012
4. Zohrab Information Center. “Nowhere: A Story of Exile”, 27 minutes, 6 seconds
5. Anna Astvatsaturian Turcotte, “A Baku Pogrom Eyewitness Recounts the Ordeal 25 Years Later”, Asbarez, January 13, 2015
6. Against Xenophobia and Violence NGO. The Sumgait Syndrome. Anatomy of Racism in Azerbaijan. MIA Publishers, 2012
7. Inna Mirzoyan, “Revealing the Truth Behind the Baku-Sumgait Pogroms – One Family at a Time”, Asbarez, January 13, 2015x
8. Julia Papiyan. “Baku Pogroms 25 Years Later: I am Regina Papiyan”, Asbarez, January 16, 2015
9. Office of the Nagorno Karabakh Republic in the United States. “Ethnic Cleansing Campaigns
10. Wikipedia: “Sumgait pogrom
11. Wikipedia: “Karabakh movement


Artigo Original

100y100f_083_Sumgait

Legenda da Imagem

Um Khachkar com os dizeres “Sumgait 1988”, pelo Memorial do Genocídio Armênio em Yerevan; A retórica pública armênia muitas vezes combina as políticas do Azerbaijão e da Turquia com relação aos armênios


Atribuição e Fonte

Por Vaghinak Petrosyan [CC-BY-2.0], via Wikimedia Commons


Fatos Recentes