Fato Nº 86

Um sistema de notação para a música clássica turca (e armênia) foi desenvolvido por Hampartsum Limondjian em 1813

Alguns dizem que a matemática é a linguagem verdadeiramente universal. Outros preferem dar esse título à música. E ainda outros – muitas vezes aqueles que estudaram ambas – ficaria feliz em admitir que os dois compartilham muito apelo universal. E, como as línguas naturais que falamos, música e matemática têm sistemas de escrita que têm de ter o mesmo tipo de consistência e ordem. Não seria um exagero dizer que a notação musical é marcada em números – embora ouvir a melodia de uma equação binomial pode não ser muito fácil.

Hampartsum Limondjian, que nasceu em Constantinopla em 1768, não tinha muito de uma educação matemática, é verdade, mas ele ficou exposto a música como um adepto da Igreja Armênia. Mais do que apenas poder contar e manter o ritmo com o tempo, Limondjian assumiu a tarefa de desenvolver um sistema de notação musical, tendo estudado sob vários mestres em muitos círculos otomanos em que participou: os armênios e sua liturgia, a ordem Mevlevi Sufi com seus dervixes rodopiantes, até a corte do sultão Selim III.

A tradição armênia mais velha de notação musical, conhecida como “Khaz“, foi utilizada como base para a criação dos que são chamados neumes – sistemas de marcas que foram usadas antes da divulgação das notações musicais ocidentais, hoje comuns. A “Hamparsum notası”, como é chamada em turco, passou a ser amplamente utilizada para escrever músicas tanto turcas, como armênias depois de seu desenvolvimento em 1813. Os armênios podem ser as únicas pessoas no mundo, de fato, a terem publicado música usando três diferentes sistemas de notação – o antigo Khaz, o sistema Limondjian, e as partituras modernas ocidentais de cinco linhas.

Limondjian, ou “Baba Hamparsum”, também era famoso em seu tempo como compositor e músico. Suas contribuições para a música da igreja armênia foram complementadas por suas canções turcas no estilo clássico célebre da corte otomana. Ele morreu em Constantinopla em 1839.

Outro nome armênio famoso no mundo da música turca é Edgar Manas (1875-1964), que veio de uma família antiga e artística, muito amparado pela corte otomana. Manas recebeu a maior parte de sua educação na Itália, mas realizou suas atividades musicais de volta em sua Constantinopla nativa, que mais tarde seria rebatizada Istambul. Suas habilidades eram muito abrangentes, ele produziu uma série de composições ao longo de sua longa carreira em vários gêneros. Manas trabalhou entre armênios, tanto no ensino e em execução de corais e grupos, também era empenhado com a Igreja Armênia e sua tradição musical. Ele compôs música clássica também, sendo inspirado por diversas escolas e estilos ocidentais.

Edgar Manas é mais lembrado hoje na Turquia como um dos co-compositores de nada menos do que o hino nacional turco. Apesar de não ser o único a escrever originalmente a peça, a orquestração para o İstiklal Marşı foi arranjada por ele.


Referências e Outras Fontes

1. Hamparsum
2. Rouben Paul Adalian. Historical Dictionary of Armenia. Scarecrow Press, 2010, pp. 453-454
3. Naregatsi Art Institute. “Mher Navoyan | Komitas’ Legacy against the Background of Identity Problematique”, 1 hour 4 minutes 27 seconds (in Armenian)
4. Wikipedia: “Hampartsoum Limondjian
5. Wikipedia: “Edgar Manas


Artigo Original

100y100f_086_Limondjian

Legenda da Imagem

Cânticos da Igreja Armênia em sistema de notação musical de Hampartsoum Limondjian, escritos à mão no início do século XX.


Atribuição e Fonte

Por Chaojoker (Own work) [CC-BY-SA-3.0 or GFDL], via Wikimedia Commons


Fatos Recentes