Fato Nº 80

Sose Mayrig pegou em armas ao lado do marido na década de 1890

O período anterior ao Genocídio Armênio envolveu lutas pela reforma no Império Otomano e violência na forma de resistência armada, assim como massacres organizados pelo governo. Os pogroms contra os armênios em 1894-1896 – conhecido como Massacres Hamidianos, assim nomeado por causa do Sultão Abdul Hamid II – definiu o cenário para o movimento fedayee: combatentes armênios armados pela liberdade nas montanhas de Anatólia (parte central e leste da Turquia de hoje, muitas vezes chamada de Armênia Ocidental).

A palavra “fedayee” é de origem árabe, significa grosseiramente “aqueles que se sacrificam” ou “mártires”. Ele é amplamente usado como um termo para combatentes da liberdade no Oriente Médio, especialmente na sua forma plural, “fedayeen“, e foi adotado por armênios também. Uma série de fedayeen ficaram populares na década de 1890 e início de 1900 até o Genocídio Armênio, como símbolos de resistência feroz e imponente dignidade. São celebrados até hoje, especialmente na música.

Uma das figuras mais notáveis foi a fedayee Sose Mayrig, ou “Mãe Sose”, a esposa de Aghpiur Serop (Serop “Primavera” ou “a fonte”). Ela nasceu em 1868 na região de Sassoun, e escolheu-se a casar com Serop em uma idade jovem, rejeitando o pretendente sua família tinha escolhido para ela. O chamado fedayee exigia que os homens que pegam em armas não fossem casados, ou que deixassem as suas famílias para a causa, mas isso não aconteceu no caso deste casal. Marido e mulher, e até mesmo seu filho Hagop, lutaram lado a lado por cerca de três anos, até que uma batalha em 1899 tirou a vida dos homens na família de Sose. Seu outro filho Samson foi levado após essa batalha, para nunca mais ser visto novamente.

Sose Mayrig foi ferida, e presa. Ela foi liberada e, mais tarde, voltou para Yerevan, quando a República da Armênia foi criada em 1918. A sovietização alguns anos mais tarde, a obrigou a sair no entanto. Ela se mudou para Constantinopla (Istambul) inicialmente e depois estabeleceu-se em Alexandria, no Egito, onde viveu sob os cuidados da família Khanamirian. Sose Mayrig faleceu em 1953.

É verdade que os fedayees não conseguiram uma independência armênia duradoura, mas ofereceram uma maneira de expressar ativamente a luta política em seu tempo, e eles continuaram a servir de inspiração para gerações de armênios desde então. A própria história de Sose Mayrig é trágica, com a perda de sua família. E, no entanto, ao mesmo tempo, pode-se dizer que ela realmente encarna o significado do sacrifício.

A palavra “fedayee” foi outra vez usada por armênios com o colapso da União Soviética, durante o conflito armado em Nagorno-Karabakh (Artsakh) na década de 1990 – cem anos ou mais depois que foi usada pela primeira vez na região central armênio-otomana. A capital da Armênia hoje inclui um cemitério militar conhecido como Yerablour para honrar esses fedayeen. Os restos mortais de Sose Mayrig foram levados para lá em 1998 e re-enterrados para se juntar a seus descendentes em espírito.


Referências e Outras Fontes


Artigo Original

100y100f_080_SoseMayrig

Legenda da Imagem

Encontro de Sose Mayrig com membros de um grupo de jovens armênios no Chipre em 1938.


Atribuição e Fonte

Por Alexander-Michael Hadjilyra (Own work) [CC-BY-SA-3.0], via Wikimedia Commons


Fatos Recentes