Fato Nº 1

O Genocídio Armênio começou em 24 de Abril de 1915.

Os massacres sistemáticos e deportações de armênios de suas terras históricas começaram no dia 24 de abril de 1915, por ordem do Império Otomano. Centenas de figuras públicas armênias – políticos, clérigos, educadores, artistas – foram presos e sumariamente executados na capital Constantinopla (Istambul) ou enviados para o exílio. O Genocídio Armênio aconteceu após décadas de discriminações e massacres contra armênios e outras minorias sob o domínio otomano, mais notavelmente o Massacres Hamidianos de 1894-1896, e o Massacre de Adana em 1909.

Usando o disfarce da Primeira Guerra Mundial, as autoridades otomanas submeteram a população cristã nativa (armênios, gregos e povos siríacos) à aniquilação e ao exílio, em uma tentativa de limpar demograficamente a Anatólia e a Ásia Menor de elementos não-muçulmanos. O Genocídio Armênio, assim, pretendia estabelecer um Estado turco etnicamente puro, nacional, removendo os dois milhões de armênios cujas casas ancestrais estendiam-se de Van e Bitlis, Mush e Erzurum no leste até Trabzon, Samsun, e Sivas no norte, para Ancara, Kütahya e Izmir no oeste, para Adana e Marash, e Antep e Urfa no sul, para não falar de inúmeras outras cidades, vilas, aldeias e regiões que abrigavam a população armênia – alguns por séculos, outros por milênios.

A nova Turquia, ao mesmo tempo, minava a cultura dos muitos povos não-turcos que viviam naquele território e os faziam seguir as leis do islamismo : os curdos, alevitas, zazas, abkhaz, circassianos, laz, e outros.

O povo armênio foi desapossado de incontáveis ​​gerações de herança cultural. Mas eles sobreviveram. Eles formaram comunidades organizadas em todo o mundo. Eles mantêm um estado hoje, e eles continuam a rememorar a experiência dos seus antepassados​, na esperança de conquistar o reconhecimento do que continua a ser um dos maiores crimes sem resposta do século XX.

 

 

Quase um século depois, o Projeto 100 Anos, 100 Fatos espera rememorar o Genocídio Armênio de sua própria forma, através da educação e conscientização. Para saber mais sobre este site, visite a seção Sobre o Projeto.


Referências e Outras Fontes

1. Raymond Kévorkian. The Armenian Genocide: A Complete History. I. B. Tauris, 2011
2. Uğur Ümit Üngör. The Making of Modern Turkey: Nation and State in Eastern Anatolia, 1913-1950. Oxford University Press, 2012
3. The Armenian Genocide. Andrew Goldberg/Two Cats Productions, 2006. DVD, 60 min.
4. Wikipedia: “Armenian Genocide”


Artigo Original


Legenda da Imagem

O primeiro monumento criado para rememorar o “11 de Abril” (usando o antigo calendário juliano, que é o atual “24 de Abril” pelo calendário gregoriano moderno) em 1919 no Cemitério Armênio Pangaltı de Istambul, hoje coberto pelo Praça Taksim.


Atribuição e Fonte

Por Teotig [Public domain], via Wikimedia Commons


Fatos Recentes

…e o povo armênio continua a lembrar e pedir justiça

…e o povo armênio continua a lembrar e pedir justiça

…enquanto minorias na Turquia são frequentemente limitadas em suas expressões por políticas de Estado…

…enquanto minorias na Turquia são frequentemente limitadas em suas expressões por políticas de Estado…

Os armênios continuam a viver na Turquia…

Os armênios continuam a viver na Turquia…

O teleférico mais longo do mundo foi inaugurado na Armênia em 2010

O teleférico mais longo do mundo foi inaugurado na Armênia em 2010