Fato Nº 38

A língua armênia possui duas formas literárias – oriental e ocidental

Depois de um milênio e meio de servir como meio de escrita para se comunicar na língua armênia, o Classico Armênio ou Grabar (literalmente “literário” – “através da utilização de letras”, “escrita”) foi substituído gradualmente ao longo do século XIX. Assim como,  de forma natural, a língua falada mudou ao longo dos anos. Já havia muitos escritos e publicações,  no que é chamado Médio armênia, mostrando uma evolução na gramática e vocabulário de uma região e de uma época para outra.

Quando os movimentos para reformar e modernizar a linguagem ocorreram – também tirando o monopólio educacional realizado tanto tempo dentro da Igreja Armênia – os armênios estavam em sua maior parte sob dois impérios: os otomanos no oeste e os russos no leste. Como resultado, foram desenvolvidas duas versões formais, literárias, oficiais da língua armênia. O armênio ocidental passou a ser baseado no dialeto de Constantinopla (Istambul), e isso se replicou aos armênios do resto do reino otomano, enquanto o armênio oriental foi baseado no dialeto da planície Ararat, estendendo-se para os armênios de Tiflis (Tbilisi), que não eram pequenos em número, e eram os mais ricos, mais ativos armênios russos. Os armênios persas, é interessante notar, também usam armênio oriental, embora uma forma bastante distinta quando falam. Coletivamente, armênio moderno também é referido como Ashkharhabar (ou Ashkharhapar no oeste pronúncia, que significa “através de / do mundo”, isto é, “mundano”, “laico”, e não da Igreja).

Os dois armênios podem ser mutuamente inteligíveis para os armênios, com uma compreensão suficiente da língua. Mas, para a maioria dos falantes armênios, há uma real dificuldade em compreender a versão falada do outro, devido muito a diferença regular em sons. As gramáticas também são diferentes, e as inconsistências de vocabulário existem também. Além disso, o armênio ocidental passou por uma reforma ortográfica durante a era soviética, assim que a grafia do armênio na República da Armênia e na ex-URSS são diferente da usada no armênio ocidental. Embora os armênios do Irã escrevem o armênio oriental, eles também usam a ortografia pré-reforma quase exatamente da mesma forma como do armênio ocidental.

Essas diferenças, no entanto, não impediram que um proeminente antropólogo cultural americano (que, na verdade, teve um enteado armênio) de expressar a idéia de que o armênio poderia ser usado como uma língua internacional. Margaret Meade (1901-1978) trouxe esse pensamento no contexto do Ano da Cooperação Internacional das Nações Unidas em 1965. Mead propôs a utilização de uma linguagem natural como um padrão internacional – ao contrário, por exemplo, do esperanto, uma linguagem artificial, feita especificamente para uso internacional. Agora, sendo a década de 1960, nenhum super-poder da Guerra Fria poderia aceitar qualquer idioma imediatamente associada a ambos os lados para tal uso. Falantes de Armênia, no entanto, poderiam ser encontrado tanto no mundo comunista quanto no ocidente, ao mesmo tempo sendo oradores da maioria dos principais idiomas do planeta.

Nada aconteceu desse plano, é claro. Não pode-se deixar de pensar, porém, que, se o fizessem, se o armênio oriental ou ocidental teria sido escolhido, ou se o significado literal de “Ashkharhabar” teria chegado a um termo inimaginável.

Para ouvir exemplos das diferenças entre o armênio oriental e ocidental, assista a este vídeo:


Referências e Outras Fontes

1. “On Margaret Mead’s Birthday”, Civilnet, December 16, 2013
2. Omniglot. “Armenian
3. Nareg Seferian. “Western Armenian & Eastern Armenian – Pronunciation Differences”, 6 minutes.
4. Irene Thompson, Jon Phillips. “Armenian”, about world languages, May 16, 2013
5. Wikipedia: “Armenian language


Artigo Original

100y100f_038_EasternWesternArmenian

Legenda da Imagem

Distribuição de dialetos armênios nos impérios Otomano e Russo, segundo a classificação de Adjarian des Dialectes arméniens, publicado em 1909; muitos dialetos desapareceram em conseqüência do Genocídio Armênio e devido a outras mudanças demográficas e sociais do século XX.


Atribuição e Fonte

Por Yerevanci (Own work) [CC-BY-SA-3.0], via Wikimedia Commons


Fatos Recentes